Secretário de Planejamento participa de reunião da Amop

 

Reunidos na sede da Univel na manhã desta sexta-feira (28), prefeitos da região Oeste do Paraná participaram da 5ª assembleia geral ordinária da Amop (Associação dos Municípios do Oeste do Paraná).

Eles discutiram temas de ampla relevância regional, com a participação do secretário estadual de Planejamento e Projetos Estruturantes, Valdemar Bernardo Jorge. O encontro, seguido de almoço, esteve sob a condução do prefeito de Jesuítas e presidente da Amop, Junior Weiller.

Valdemar mostrou o cronograma de ações que estão sendo colocadas em prática pelo governo em áreas estratégicas e de alcance regional. Citou o esforço em torno da continuidade do processo de desapropriação da área do futuro aeroporto regional, das oportunidades que estão surgindo e que podem se tornar reais para a instalação de ramais da Ferroeste, o cronograma de obras de duplicação e recuperação de rodovias e problemas decorrentes da judicialização destas demandas e de outros assuntos.

“O governador Ratinho Junior tem feito todos os esforços possíveis para retomar a capacidade de investimentos do Estado, tem cortado gastos, eliminando mordomias e sendo austero nas despesas, com sacrifícios que precisam ser assimilados por todos. Só assim, teremos recursos suficientes para sermos parceiros nestas ações ao lado dos demais entes da Federação, em uma sinergia de forças que tem a Amop como mola propulsora”, disse Valdemar.

Também presente à reunião, o deputado estadual Marcel Micheletto, ex-presidente da Amop e também da AMP, destacou que a região aprendeu duras lições com o passar dos anos, e hoje sofre com o reflexo desse abandono. Micheletto afirmou que está empenhado em viabilizar recursos para custeio de despesas das prefeituras, principalmente na área de saúde, seja na forma de emendas parlamentares, seja na forma de recursos do governo.

Por sua vez, Junior Weiller afirmou que o Oeste precisa recuperar o protagonismo que merece. “Anos atrás, tínhamos propriedades rurais que produziam 150 sacas de milho por hectare. Hoje, a produção, somente da safrinha, é de 300 sacas. No entanto, temos as mesmas rodovias e mesma malha viária. Hoje, temos o pedágio mais caro do mundo, rodovias em pistas simples, escolas em situação de abandono e filas em hospitais porque os governos não elegeram a região como prioridade”, destacou.

Share this:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *